images/banners/slide1.jpg
Situação de Emergência em caso de acidente em intervenções elétricas

As ações de emergência que envolvam as instalações ou serviços com eletricidade devem constar do plano de emergência da empresa, prevista na NR  10.12. Na prática os trabalhadores não têm conhecimento desse plano em alguns estabelecimentos,  embora os colaboradores sejam  treinamento em noções de primeiros socorros e combate a incêndio,  muitos acreditam que é só cumprir a lei. na prática esse plano de emergência fica engavetado, e as pessoas só vão ter conhecimento dele,  quando o acidente acontece. Os recursos materiais indicados para o atendimento a emergência devem estar disponíveis e mantidos pelas unidades operacionais da EMPRESA de forma a prevenir e mitigar os aspectos / impactos ambientais e danos aos ativos da Empresa, com a utilização dos recursos indicados. Está implícita a determinação da obrigatoriedade da elaboração de procedimentos emergenciais direcionadas às instalações ou serviços com eletricidade. De uma forma genérica vamos exemplificar o conteúdo desse plano de emergência de uma forma abrangente. Pré - afogamento e resgate em água, Devemos ter a disposição : Bote de resgate, motor, remos, coletes, roupas de neoprene, nadadeiras. Em caso de Choque elétrico os colaboradores experientes bem treinados devem dispor de equipamentos de proteção individual e coletiva se fosse para quem atua no ramo de atividade de elétrica como: Bastão de aterramentos para atividades na alta média e baixa tensão alta tensão, roupas especiais  retardante a Chamas, luvas isolantes de borracha de 0,5 e 17 kv e de cobertura feita de material de raspa, rádio de comunicação, telefone celular ou ramal. Em caso de choque elétrico sobre estruturas,  teremos de fazer o resgate em altura e vertical. Cordas e cabos de resgate e carretilha de dupla ação, freio em oito, mosquetões  de dupla e tripla trava, capacetes classe B, triângulo de resgate cinto de segurança tipo paraquedista, rádio de comunicação, telefone celular.  Movimentação de carga, Acessórios de içamento (alavancas), equipamentos em geral sendo talha catraca, tifor, ponte rolante, guindaste, rádio de comunicação, telefone, celular. Em Espaço confinado, Rádio de comunicação, telefone celular e / ou ramal, fita zebrada, equipamentos de resgate em espaço confinado, veículo leve, máscara autônomas, tripé de resgate, cordas, roldanas, outros de acordo com a necessidade.  Kits de emergência ambiental e EPI’s: Cuidado especial de não jogar água sobre o produto vazado / derramado e observar as informações contidas na Ficha Técnica do Produto. Ataque de animais peçonhentos como abelhas  que tem por habito se alojar nas estruturas ou postes, preferencialmente o eletricista deverá estar utilizando macacão de apicultor. Nada de matar as abelhas,  do texto constitui em crime ambiental. EPI’s (capacete Classe B, óculos de segurança escuros e transparentes, bota  sem partes metálicas, luvas de borracha, uniforme retardante a Chamas ou outros, e se necessário proteção respiratória), pás, enxadas, batoques, tambores, baldes, bombonas, mantas absorventes, lona plástica, pás, enxadas e tambores, veículo leve, kit de emergência ambiental. Lembrando que esse plano de emergência ele deve ser apresentado na CIPA para que seja de conhecimento de todos os colaboradores.  hein se tratando de um plano de emergência sempre que possível as nações de treinamentos deve ser realizadas periodicamente. pois diante do treinamento mas vamos enxergar algumas falhas que  vão determinar a disponibilização de recursos, quer humanos, na forma de atribuição e treinamento de pessoas, quer materiais na forma de equipamentos, dispositivos e instalações a serem acionados na eventualidade de alguma ocorrência capaz de criar situações de perigo quer por falha operacional, de equipamento ou ainda por ações externas estranhas ao desenvolvimento das atividades ou das instalações. Também essas ações emergenciais devem estar plenamente integradas ou absorvidas pelo plano geral de emergência da empresa. Na prática ou na ocorrência de uma emergência,  se os colaboradores não estiverem preparados, tomaram decisões que poderão comprometer ou deixar de ser eficiente na prevenção do acidente, portanto é muito importante que todos os colaboradores estejam incluídos na questão de estar atento às informações constantes no plano de segurança e o principal, é que todos os colaboradores se conheçam! O prevencionista tem a função de checar se todos esses itens além das recomendações estão sendo priorizados pelos colaboradores, e não devemos deixar que falte nenhum elemento que possa interferir na condição dê prioridade à vida dos trabalhadores. Sistemas um plano de segurança elaborado,  devemos evitar entre os colaboradores o “ achismo “.

Publicado emBlog
PASSO A PASSO DE TREINAMENTO PARA EVACUAÇÃO DE ÁREA

Em meados do ano de 2000, houve um principio de vazamento de gás Amoníaco em um frigorifico recém-inaugurado e houve um pânico geral, com muita correria desordenada, aonde vários colaboradores vieram a se ferir por falta de conhecimento ou treinamento de evacuação de área. Nas investigações, constatou-se que os colaboradores nunca haviam passado por esse tipo de procedimento de segurança porque a liderança achava que era humanamente impossível essa condição, até que um dia ela ocorreu! Nas atividades de trabalho estamos sujeitos risco de evacuação de área em caso de acidente. E para que essa evacuação seja feita de forma ordeira é necessário que saibamos quais são os Procedimentos de Segurança que contemplam o abandono de área em caso de Vazamento de produtos químicos que podem desencadear incêndios ou explosões ou queima de materiais como no caso incêndio no MUSEU NACIONAL do RIO DE JANEIRO em 2018. Para combater esse tipo de situação devemos ter na empresa um PLANO DE EMERGÊNCIA ou CONTINGENCIA. As Responsabilidades e autoridades estão a cabo da gerencia do estabelecimento; Técnicos em Segurança, colaboradores, em atendimento aos procedimentos, e a práticas de exercícios simulados. A eficiência desta atividade só se concretiza, se o treinamento for feitos de forma periódica. Tendo em vista que, os equipamentos de proteção coletiva como extintores de combate a incêndio e similares devem estar com seus prazos de vistorias em dia, e em plenas condições para utilização, caso seja requeridos para a ação. Estes procedimentos devem ser de conhecimento de todos os colaboradores, que vão desde acionamento de sinal sonoro, até com o deslocamento através das rotas de fuga e acesso aos pontos de encontro estabelecidos conforme a recomendação do SESMT. Esta rotina exige exercícios simulados registrados. O aviso sonoro é um sinal de alerta que indica aos colaboradores o momento de abandono da área. Poderá ser acionado pelo técnico em segurança ou responsável da equipe de emergência ou apoio, tendo ruído similar à corneta com som intermitente de longa duração. A referida Rota de Fuga serve de orientação aos colaboradores no momento de abandono do ambiente de trabalho na ocorrência do alarme sonoro, deverá estar sinalizada com placas indicativas (visíveis no escuro), em alguns casos, devido ao fácil trânsito para evacuação não há necessidade de sinalização de solo. Caso a energia seja desligada as lâmpadas de emergência iluminarão os corredores e saídas. O ponto de encontro é o local seguro e ventilado, designado para a reunião dos colaboradores, após abandono da área. Deverá ser feito uma conferência dos colaboradores, prática utilizada para realizar a verificação se todos os colaboradores realmente deixaram seus postos de trabalho, onde cada monitor deverá verificar se a sua equipe esta presente. Cada colaborador deverá sempre se posicionar no mesmo local, desta forma facilita ser percebido a sua ausência. Os exercícios simulados práticos deverão ser realizados em área que não seja por razão emergencial, tendo como objetivo de promover a prática do abandono de área pelos colaboradores em geral. Sempre será comunicado com antecedência e servirá para avaliar o grau de comprometimento de cada colaborador. A equipe de socorro deverá ser constituída por colaboradores treinados na prestação de primeiros socorros e orientação às vítimas que possam ser envolvidas pelos resíduos dispersos no ambiente de trabalho. A equipe devidamente treinada utilizará recursos de segurança disponibilizados pela empresa. Caso haja a necessidade de abandono de área, pare o que estiver executando independente da urgência, se possível desligue a máquina ou aparelho que estiver em operação, feche o gás ou qualquer chama aberta; e ao sair, feche as porta se janelas (não as tranque); desobstrua passagens caso necessário, dirija-se à saída indicada mantendo-se em fila e aguardando distância segura do colaborador da frente, movimente-se de modo rápido e ordeiro, não corra, mantenha-se em grupo, após a saída para facilitar a conferência. Na presença de fumaça, movimentar-se abaixado. Se a emergência for incêndio e estiver usando roupa de nylon, tire-a do corpo e carregue na mão; seguir as instruções dos membros da CIPA e da BRIGADA DE INCÊNDIO. Não corra sem saber para onde, não atrase a fim de não atrapalhar a fila, não use sapatos de salto alto, não grite e nem faça barulho desnecessário, não ria e nem fume, não cause qualquer confusão ou brincadeiras, não fique nos sanitários, vestiários ou qualquer outro compartimento, não volte para apanhar roupas ou outros objetos esquecidos, não use elevadores ou saídas designadas para outros fins e não demore em atender as instruções. Os membros da CIPA e BRIGADA DE INCÊNDIO devem posicionar-se nas saídas; controlando os colaboradores evitando pânico; orientando os colaboradores para as saídas, em ordem, auxiliando-os se necessários fisicamente, se houver prestar os primeiros socorros, caso haja necessidade. Realizar buscas nos pisos e locais fechados cronometrando o tempo da evacuação. Em caso de numa saída houver fila demorada, oriente os colaboradores para sair por uma mais próxima. Aos níveis de chefia, solicitamos orientação previamente para cada empregado do seu setor sobre estes procedimentos para aos empregados em geral. Solicitamos a colaboração e o fiel comprometimento dos itens mencionados, lembrando a todos que o objetivo deste evento é de treiná-los e prepará-los para uma possível situação real de emergência, a fim de preservar a integridade física pessoal e o patrimônio da empresa.
LEMBRE-SE O SINISTRO OCORRE ONDE A PREVENÇÃO FALHA.

 

Publicado emBlog
Curso NR

Mais Lidas

A utilização incorreta das ferramentas manuais, podem danificá-las e ainda causar lesões aos colaboradores!
Blog A utilização incorreta das ferramentas manuais, podem danificá-las...
É obrigação de o colaborador manter os equipamentos e ferramentas em condições de uso. V...
Nas atividades de trabalho, a utilização dos EPIs, é mais que um dever, é uma obrigação !
Blog Nas atividades de trabalho, a utilização dos EPIs,...
O trabalhador poderá interromper suas atividades quando constatar uma situação de trabalho...
Técnico de segurança do trabalho  e as suas atribuições nos canteiros de obras
Blog Técnico de segurança do trabalho e as...
Independentemente da obrigatoriedade legal, as empresas que executarem atividades deverão ...
Como elaborar relatório de ocorrência de acidente de transito, no veículo  a serviço da empresa
Blog Como elaborar relatório de ocorrência de acidente de...
No Brasil os dados são ainda inconsistentes, mas acidentes e doenças do trabalho impactam ...

Quer receber mais conteúdos brilhantes como esses gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nosso conteúdos por email

O Blog Segurança do Trabalho tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento pessoal e profissional dos seus leitores, visando aborda sobre os mais variados temas no âmbito da segurança e saúde do trabalho, direito trabalhista, direito previdenciário, meio ambiente, comportamento pessoal e profissional, entre outros. Dessa forma, o site vem ganhando seu espaço e reconhecimento.